Sem Graça

para Maria da Graça Almeida

Rosa Pena



Saudades
do meu mundo de criança.
Nomeava-se um líder
logo deposto.
Eram sinceras as lágrimas
no rosto.
Sem siglas, slogans, partidos.
Apenas
mocinhos e bandidos,
rainhas e princesas,
na fantasia.
Mesmo que brincadeira fosse,
não se roubava nem um simples doce.
Muitas rixas,
mas para aliar-se de novo.
No dia-a-dia
consciência que somos povo.
Todos da mesma raça.
Massa!
Saudades do meu mundo de mocinha
acreditava que na vida
vencia a poesia.
Saudades da Maria da Graça.









Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 21/02/2005
Alterado em 31/10/2008
Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.





Site do Escritor criado por Recanto das Letras
art by kate weiss design