19/09/2009 12h12
Solidão
texto Rosa Pena
arte: Silvia Felippo


livro PreTextos

Publicado por Rosa Pena em 19/09/2009 às 12h12
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
11/09/2009 19h18
Ex
Texto de Rosa Pena na arte de Sílvia Felippo

Publicado por Rosa Pena em 11/09/2009 às 19h18
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
26/08/2009 23h17
rodrigo de souza leão; iosif landau; anibal beça... mais três estrelas líricas
Entre estrelas e marimbondos de fogo
Rosa Pena


Na Terra: Renan; Collor; Sarney
Formação de quadrilha!

No céu: Rodrigo; Iosif; Aníbal
Formação de constelação!

Num dá pra inverter a posição ainda que essa inversão provoque um  ataque incendiário de marimbondos?
 
 

 

Publicado por Rosa Pena em 26/08/2009 às 23h17
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
18/08/2009 23h41
Iosif Landau


Autógrafo
Iosif Landau
Para Rosa Pena

MARÇO

Segunda-feira 26

19:32

Saio de casa, ansioso, é o meu normal, até pra comprar cigarros tenho
cólicas, sou um ser construído sobre nervos, constituído de inseguranças,
sou o que não aparento, apenas sei que sou homem, nasci homem, ainda sou
homem me pergunto enquanto tropeço na calçada e quase me estabaco feito
débil mental? Velho não é mais homem, é espantalho e espantalho não transa,
portanto velho também não transa, é silogismo, teorema, corolário, dogma,
fantasia, imaginação, ciência, sabedoria, psicologia, drama, comedia? É o
caralho, ou melhor, falta de caralho, puta que me pariu, por que penso nisso
agora? Porque amo mulher, mulher é vida, mulher é beleza, mulher é mente, é
coração, é onda, é mar, é o infinito, é sublime, é, é e é ...E vou ao
encontro dela que nunca vi, que não conheço, que estou louco pra conhecer,
pra sentir seu perfume, pra ver seu sorriso e olhar o decote...Safado!

19: 36:

Sinalizo o táxi, pára, abro a porta do carona: - puxa o banco para trás -
falo ao motorista, peço sempre, tenho pernas longas, um embaraço pra quem
tem mais de 80, -- esquina Aníbal com Pirajá! - dou a ordem. A Prudente com
pouco movimento, o carro voa, desço na esquina, pago 10 por uma corrida de
7, - vá com Deus - agradece o paraibano, vou pra onde com Deus? Sempre me
pergunto, a resposta não me agrada, me assusta, que se
foda, melhor me cuidar na travessia da Pirajá se não Deus vai festejar.

19: 42:

O convite fala: às 20 horas. Nenhum carioca que se preza é pontual, mas eu
sou, tenho sangue de gringo, sei, tenho certeza que terei que esperar pelo
perfume, pelo sorriso, pelo decote...safado!

Para em frente ao quiosque com flores, mulher merece flor, mulher tem
direito a flor, mulher gosta de flor, mulher é flor. Escolho, pago e
caminho, as flores coladas junto ao peito. Entro na Travessa, caminho até o
fundo, mesa, cadeira, mais flores, ninguém, me sinto ridículo e agarrado às
flores dou meia volta, subo pro café, me sento numa mesa no fundo, dali vejo
o panorama, saberei quando ela vai surgir, impaciente peço um café, nervoso
acendo um cigarro, coloco as flores na mesa.

20:20:

Já bebi três cafés, fumei dois cigarros, acendo o terceiro, - droga, as
flores vão murchar! - , eu já estou murcho, enganei - me do dia, da hora?
Olho na direção da mesa, movimento, gente, ela? Só pode ser, rodeada e
abraçada, espero mais um pouco, me levanto pago a conta, desço, rabisco o
cheque, pego livro e caminho, lento, sem pressa, coração acelerado, paro em
frente à mesa, ela levanta a cabeça: - Iosif Landau? Iosif Landau? -,
resmungo algo ininteligível, ela se levanta, me abraça, estou imóvel, sem
ação, sinto o calor do corpo, ela se afasta, entrego-lhe as flores, -
Flores? Que lindo!-, senta, entrego o livro, - pra você só posso escrever
isso! -, me devolve, leio e releio, - I LOVE VC!



- I LOVE YOU TOO, I LOVE YOU TOO! - penso, não falo, minha presença de
espírito foi pro beleléu, não sei como agir:

- Fica, senta um pouco -, agradeço, resmungo que preciso ir, o
inesperado, ela beija minha mão, beijo a dela e me retiro.

21:00:

Em casa procuro me lembrar, tudo nebuloso em minha mente, aos poucos,
devagar, Rosa é rosa, petite, agitada, energia saindo pelos poros da pele
queimada de sol, risonha, alegre, um foguete, uma estrela, magnética e
magnífica, I LOVE YOU TOO, I LOVE YOU TOO! E como I LOVE YOU!

Mais tranqüilo acendo um cigarro, paro, congelo, droga!

Não olhei pro decote!

Rosa, quem sabe, algum dia você me mostra ele.

*
foto: Rosa Pena e Iosif Landau no lançamento do livro UI! na livraria Travessa

Publicado por Rosa Pena em 18/08/2009 às 23h41
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
31/07/2009 23h29
...
texto de Rosa Pena na formatação de Sílvia Felippo.

Publicado por Rosa Pena em 31/07/2009 às 23h29
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 21 de 53 « 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 » [«anterior] [próxima»]





Site do Escritor criado por Recanto das Letras
art by kate weiss design