21/01/2016 20h09
Passando a limpo

Passando a limpo
Rosa Pena

Ó como dói tentar sorrir, ficar numa boa, reinventar-se uma pessoa alto astral. 
Vejo minhas duas garotas tristes, pois sei que quando um trio vira dupla o buraco se abre. Me agarro a ideia que um dia passará, que, quem sabe até, a ausência do que parece imprescindível, será um alívio! Mas, para a pequenininha está difícil, ela ainda tem os olhos cheios de sonhos, a fé intacta, a pureza verde, então esse ponto final é um mero entre parênteses, é uma brincadeira que ela não gosta. Está ruim demais. 
Sobrou para mim, mais que adulta, mostrar que elas viveram um dos rascunhos que a existência costuma nos dar. São tantos... Que voltem a namorar a vida. Um dia chegará o príncipe.

E elas viverão felizes para sempre.

 

imagem:("Mãe e filha", Natalia Tejera)


Publicado por Rosa Pena em 21/01/2016 às 20h09
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.





Site do Escritor criado por Recanto das Letras
art by kate weiss design