30/01/2008 17h15
*

Quando o carnaval chegar...

Rosa Pena

 

Há quanto tempo desejo seu beijo
molhado de maracujá
tou me guardando pra quando o carnaval chegar”

 

Chico Buarque

 


Buraco para dois, leito sem roupa, incenso de capim sem senso. Um sopro manso, um céu que se deita no mar. Livros novos, que não serão lidos, um vinho branco que fica tinto ao nos olhar, línguas perdidas em bocas, um samba que não obedece ao enredo improviso flores mal-educadas que nascem sem pedir licença, vagabundos feitos sob medida graças a Deus risada vitoriosa, um sol assustado ao perceber que não vimos que trocou de lado, três dias de menstruação amorosa folia de rei e rainha fósforo aceso perto da palha: —Fogo!!! 

Afinal, quarta-feira não é de cinzas?  Que o braseiro fique lotado delas.


 

Midi/Quando o carnaval chegar/Chico Buarque


Publicado por Rosa Pena em 30/01/2008 às 17h15





Site do Escritor criado por Recanto das Letras
art by kate weiss design